Disjuntor Residual

Essa é uma proteção que deve ser instalada para alimentar equipamentos elétricos afim de proteger os usuários dos perigos de choques elétricos.

A ABNT, norma NBR 5410 /97 recomenda dispositivos DR de alta sensibilidade com IN  30 mA. Assim quando houver uma corrente de fuga para a terra desse valor o disjuntor vai desarmar e desligar o circuito de alimentação. Assim se essa fuga for uma pessoa tomando choque na carcaça do equipamento, o disjuntor desarma e ela fica protegida.

Alem da corrente de atuação também temos que considerar o tempo de abertura. Um valor característico para os modelos comerciais é da ordem de 40ms. Esse é o tempo que o dispositivo gasta para abrir o circuito. Na tabela do fabricante existem vários valores de corrente para a proteção do equipamento, de acordo com sua potência. Alem disso existe também um contato auxiliar para um circuito de sinalização, por exemplo.

A corrente capaz de matar é da ordem de 200mA. Mas abaixo, mesmo não levando a óbito pode causar sérios problemas de saúde ou queimaduras graves.

Princípio de funcionamento: No desenho abaixo vemos logo após a alimentação de entrada o disjuntor. Os fios de sua saída passam por dentro do TC diferencial e vão alimentar a carga, equipamento ou eletrodoméstico.

Enquanto a corrente que retorna é igual a que entra(i1=i2), a diferença é zero(i1-i2=0) e o circuito eletrônico mostrado abaixo não recebe sinal para amplificar e comandar o desarme. Quando há alguma fuga para a terra(i3) a diferença de corrente captada pelo TCD(transformador de corrente diferencial) deixa de ser zero, então é amplificada pelo circuito eletrônico que comandará o dispositivo de desligamento do disjuntor.

Veja uma foto de um modelo comercial bipolar e tetrapolar.

Espero que tenham gostado.

Escrito por : João Roberto Vasco Gonçalves.